Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Emigrantes recebidos em Vilar Formoso pela Cap Magellan

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

O Secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, deu as boas vindas aos emigrantes que entraram em Portugal pela fronteira de Vilar Formoso, Almeida, e sensibilizou-os para a campanha Aldeia Segura, Pessoas Seguras.

“São medidas de autoproteção associadas aos fogos, são ensinamentos para se comportarem, saberem como se devem comportar perante o fogo, para não haver consequências negativas nas vossas férias. É o que desejamos. Boas férias para todos”, disse o Governante a alguns emigrantes que contactou.

José Artur Neves entregou um panfleto sobre a ação “Aldeia Segura, Pessoas Seguras. Prepare-se e proteja-se dos incêndios rurais” aos residentes no estrangeiro.

O governante disse aos jornalistas que, no âmbito daquela campanha, foram distribuídos 650 mil panfletos em aldeias do país. “Aldeia Segura, Pessoas Seguras tem um conjunto de medidas de autoproteção, de ensinamentos, que visam instruir os cidadãos que vivam em espaço florestal para os riscos que comporta um incêndio florestal”, explicou.

No entanto, admitiu que “a limpeza à volta das casas e à volta das aldeias” que o Governo lançou logo no início do inverno, “no sentido de se cumprir a lei de 2006, pode não chegar, numa situação de incêndio violento”.

“E, portanto, é preciso que os cidadãos saibam como se devem comportar perante essas situações”, defendeu.

O Secretário de Estado da Proteção Civil participou naquela fronteira, na campanha de segurança rodoviária “Sécur’Eté 2018: Verão em Portugal”, promovida pela associação de jovens lusodescendentes Cap Magellan e destinada aos emigrantes que regressam a Portugal pelos principais eixos rodoviários na fronteira com Espanha.

Além da sensibilização rodoviária, a iniciativa tem também como objetivo a sensibilização dos emigrantes para a campanha Aldeia Segura, Pessoas Seguras que resultou de um protocolo assinado entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil, a Associação Nacional de Municípios Portugueses e a Associação Nacional de Freguesias.

A Cap Magellan promoveu até domingo a campanha de segurança rodoviária “Sécur’été – Verão em Portugal” dirigida aos milhares de emigrantes que no passado fim de semana chegam a Portugal para gozarem as férias de verão.

Pelas contas da GNR, este fim de semana entram em Portugal, pela fronteira de Vilar Formoso, cerca de 20 mil veículos de matrícula estrangeira. “Os períodos de maior afluência são sempre, antes do almoço e logo a seguir à hora de almoço”, disse aos jornalistas o capitão Óscar Capelo, Comandante do Destacamento de Trânsito da GNR da Guarda.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 6 Votos
6.0
X