Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Cultura

 

 

O escritor Nuno Gomes Garcia foi o escolhido para representar Portugal no Festival Literaturas Europeias de Cognac, que se realiza de 17 a 22 de novembro.

O festival francês foi criado em 1988 pela associação que lhe dá nome, no sudoeste de França, no âmbito do centenário do nascimento do político europeísta Jean Monnet (1888-1979). A associação visa a promoção da literatura e da leitura europeias, através de vários eventos públicos, entre eles o festival literário.

Nuno Gomes Garcia é o autor dos romances “O Dia em que o Sol se Apagou”, que foi finalista do Prémio LeYa em 2014, e “O Homem Domesticado”, publicado em 2017.

Nuno Gomes Garcia foi selecionado a partir dos autores que se candidataram a uma residência literária, intitulada Jean Monnet, em Cognac, promovida pelo festival.

Segundo a editora portuguesa, “está prestes a chegar às livrarias francesas a edição de ‘O Homem Domesticado’, que terá como título ‘La Domestication’, publicado na Collection iXe’prime, das Éditions iX, traduzida do português por Clara Domingues”.

“A história do romance fala-nos de um tempo em que uma tal Marine alcançou o poder, dando início a uma nova era, em que a sociedade vai-se progressivamente desumanizando ao ponto de os conceitos de amor e amizade deixarem de fazer sentido. As mulheres tornaram-se senhoras do mundo e submeteram os homens à condição de escravos”, segundo a editora.

O romance chega aos franceses num contexto político concreto, o da 2ª volta das eleições presidenciais em França.

Nuno Gomes Garcia nasceu em 1978 em Matosinhos, estudou História e Arqueologia, e reside em Paris “há vários anos” onde é colaborar do LusoJornal.

 

Donativos LusoJornal

 

X