Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Filme sobre a participação de Portugal na Grande Guerra foi projetado em Paris e em Bry-sur-Marne

Cultura

 

 

O filme documentário “Les Héritiers de la Bataille de La Lys” do jornalista Carlos Pereira, foi projetado na Casa de Portugal André de Gouveia, na Cidade universitária internacional de Paris, e depois no Château Lorenz em Bry-sur-Marne.

A projeção na Casa de Portugal foi organizada pela Sociedade dos Autores Lusófonos de França (SALF), e em particular por Altina Ribeiro, Manuel do Nascimento e Dan Inger dos Santos, com a cumplicidade da Diretora da “Casa”, Ana Paixão. A projeção em Bry-sur-Marne foi organizada pela associação Gaivota, presidida por Maria-José Henriques.

“A mensagem é muito clara, é necessário que nós, os Portugueses de França, possamos ficar a saber que os soldados Portugueses vieram aqui combater durante a I Guerra mundial e dizê-lo também aos nossos amigos Franceses” diz o realizador Carlos Pereira, entrevistado por Ricardo José para a Rádio Alfa. “Durante o Centenário da I Guerra mundial foram publicados muitos livros, eu não os li todos, mas andei a percorrer muitos deles, fala-se às vezes numa linha, num parágrafo, que os Portugueses também estiveram cá, estiveram na linha da frente, no norte da França, mas passa quase despercebido” argumenta o realizador.

“Ora, foram mobilizados cerca de 55.000 homens. Foi muito para Portugal, mesmo se não vieram todos para cá. Portanto é necessário lembrar isto e dizer isto à nossa volta” refere o jornalista que também é Diretor do LusoJornal e trabalha para o programa “Hora dos Portugueses” da RTP. “Durante a Guerra morreram mais de 2.600 soldados portugueses, cujos nomes estão inscritos no Anneau de la Mémoire, em Notre Dame-de-Lorette”. 1.831 deles têm uma campa no Cemitério Militar Português de Richebourg, no norte da França.

No debate que se seguiu, tanto na Casa de Portugal André de Gouveia, como na Château Lorenz, as perguntas foram muitas e sobretudo a indignação por esta história ser pouco conhecida.

Carlos Pereira repetiu a frase que está no fim do filme: “Todos nós somos herdeiros da Batalha de La Lys” e acrescentou que “todos nós podemos dar a conhecer esta história. Eu fiz a minha parte, realizando este filme”.

As duas projeções foram prolongadas pelas interpretações do cantautor Dan Inger dos Santos, que escreveu “Carte Postale de La Lys”, o tema musical que termina o filme.

 

Donativos LusoJornal

 

X