Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Um grupo de amigos de Gérald Bloncourt vai organizar no próximo sábado, dia 26 de outubro, entre as 14h00 e as 18h00, uma homenagem ao fotógrafo que deu a conhecer as condições de vida dos Portugueses que emigraram para França nos anos 60, nomeadamente no “Bidonville” de Champigny-sur-Marne. A homenagem – à qual o LusoJornal se associa desde o primeiro dia – vai ter lugar no Museu Nacional da História da Imigração.

“Em 1964, quando fazia uma reportagem sobre os bairros de lata da região de Paris e as condições de vida dos imigrantes nas nossas cidades, descobri a existência de um enorme bairro de lata em Champigny-sur-Marne onde viviam milhares de Portugueses em situação difícil, quase na indiferença geral” disse Gérald Bloncourt. “Encontrei-os também nas obras da Torre de Montparnasse, em Paris”.

No sábado, aqueles que se juntarem à homenagem, vão ser acolhidos pela projeção de fotografias de Gérald Bloncourt, ao som das suas canções preferidas e de guitarradas portuguesas.

A sessão vai começar com uma intervenção do Diretor do Museu, que apresentará a obra de Bloncourt presente nas coleções daquela instituição, e durante a tarde vai também intervir o Embaixador de Portugal em França, Jorge Torres Pereira, que se associou à homenagem, assim como o Cônsul Geral de Portugal em Paris, António de Almeida Moniz.

Isabelle Bloncourt, a mulher de Gérald também vai fazer uma intervenção para lembrar a relação que o marido tinha com Portugal e com a Comunidade portuguesa. Neste âmbito falarão também o historiador Daniel Bastos, que lhe consagrou dois livros, o Presidente da associação Memória das Migrações Parcídio Peixoto e a socióloga Maria-Beatriz Rocha Trindade.

Vai ser projetado um extrato de um filme sobre Gérald Bloncourt, realizado por Carina Branco e Nina da Silva, que vai ser comentado pela historiadora Marie-Christine Volovitch-Tavares e pelo jornalista e Diretor do LusoJornal Carlos Pereira. Segue-se uma outra projeção de uma sequência de Isabelle Bloncourt sobre Gérald Bloncourt e a Revolução de Abril de 1974 em Portugal.

Vários amigos de Gérald Bloncourt, representantes de organizações, associações autarcas, representantes da Câmara municipal de Fafe – já que Gérald Bloncourt doou uma parte do seu espólio ao Museu da Emigração de Fafe – vão ter lugar durante a tarde.

“É um dever evocar, lembrar o trabalho de Gérald Bloncourt sobre a emigração portuguesa” disse o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, que o condecorou precisamente em Champigny. “Este fotógrafo do Haiti testemunhou a dureza do quotidiano dos Portugueses que viveram os primeiros anos da vaga de emigração para França. Gérald Bloncourt foi simultaneamente um amigo e um companheiro de todos estes Portugueses que vieram para França construir o seu futuro”.

O motor desta iniciativa foi Manuel Vaz, do Comité Aristides de Sousa Mendes, e uma brochura em homenagem a Gérald Bloncourt foi editada para esta ocasião. Depois da «Grândola Vila Morena» haverá um «Copo da amizade» e estarão à disposição algumas das obras de Gérald Bloncourt, nomeadamente os dois livros escritos por Daniel Bastos.

 

Museu Nacional da História da Imigração

Palais de la Porte Dorée

293 avenue Daumesnil

75012 Paris

Reservas: 06.23.19.01.83

 

Linda de Suza 19/20
Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 5 Votos
9.7
X