Invasões francesas: Evocação histórica do cerco de Almeida com uma centena de figurantes

Donativos LusoJornal

 

Cem figurantes nacionais e espanhóis participam, no fim de semana, na 17ª recriação histórica do cerco de Almeida, ocorrido em 1810 durante a terceira Invasão Francesa, disse à Lusa o Presidente da autarquia.

Segundo o Presidente da Câmara Municipal de Almeida, António José Machado, as atividades comemorativas do cerco de Almeida ainda ocorrem este ano condicionadas pela pandemia.

O autarca lembrou que no ano passado a efeméride foi assinalada com “cerimónias mais protocolares” e, este ano, devido às limitações existentes, as mesmas serão realizadas sem a dimensão habitual, que costumava contar com a presença de cerca de meio milhar de recriadores do país e do estrangeiro.

“Este ano vamos limitar-nos a fazer as simulações de como eram os acampamentos, os mercados, os renderes da guarda e as cerimónias protocolares, com menos recriadores, com representação dos vários grupos e com a parceria da Associação Napoleónica Portuguesa”, adiantou.

O município de Almeida, situado junto da fronteira com Espanha, no distrito da Guarda, quer deixar “um pequeno sabor de boca aos visitantes que decidirem” visitar a fortaleza de Almeida de sexta-feira a domingo.

O autarca adiantou que marcará presença na iniciativa “uma representação pequena de cada um dos grupos de recriadores que estão em Portugal e em Espanha”, com perto de uma centena de elementos.

O objetivo é “manter vivo” o evento anual, referiu António José Machado, desejando que no próximo ano já seja possível fazê-lo “com a dimensão a que as pessoas estão habituadas”.

“Este ano, a comemoração é um pouco mais contida, devido às condições que ainda temos que ir cumprindo”, rematou.

O programa inclui, na tarde de sexta-feira, o retomar do seminário internacional (que não foi realizado em 2020) sobre “Arquitetura Abaluartada e Património UNESCO”, uma vez que Almeida integra a candidatura a património da humanidade, no âmbito da candidatura das Fortalezas Abaluartadas da Raia, que também envolve Marvão e Valência.

No mesmo dia será lançado o livro “Almeida – Estrela Singular das Fortificações Abaluartadas da Raia” e haverá um Sarau Cultural e Baile Oitocentista, à noite.

No sábado, haverá subidas em balão de ar quente, cerimónias protocolares e de evocação do cerco de Almeida, um mercado oitocentista, atividades históricas militares (rondas de sentinelas, guarda às portas e render da guarda, recriação de atividades em acampamento militar, quartel das esquadras e hospital, exercícios de artilharia, etc.), homenagem a quatro almeidenses que pertenceram ao Regimento 23, entre outras ações.

No último dia, domingo, destacam-se as cerimónias de hastear e de arrear das bandeiras e a realização de um percurso histórico militar, estando o encerramento da evocação de 2021 do cerco de Almeida previsto para as 19h00 locais.

Durante o fim de semana também haverá várias atividades em permanência como uma exposição de Playmobil (“O cerco de 1810”) e outra sobre fortificações militares, oficinas, a visualização de um filme, contos e um jogo gigante sobre a temática das invasões francesas.

A 17ª recriação histórica do cerco de Almeida evoca o acontecimento que levou à capitulação daquela praça-forte, construída nos séculos XVII e XVIII, a 28 de agosto de 1810.

A organização garante que as atividades programadas irão decorrer de acordo com as normas da Direção-Geral da Saúde relativas à pandemia de Covid-19.

 

Comunidade