Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Paulo Pisco (PS) e Carlos Gonçalves (PSD) foram reconduzidos no Parlamento português, no seguimento da contagem dos votos do círculo eleitoral da Europa.

Os dois destacam o facto de mais de 158 mil votantes terem participado nas eleições, no conjunto dos dois círculos eleitorais da emigração.

“Temos de destacar o facto de mais de 158 mil eleitores terem votado. Foram números nunca antes alcançados” começa por dizer Carlos Gonçalves. “Este é um dado muito positivo” disse ao LusoJornal.

“O número de votantes foi multiplicado por 5” acrescenta Paulo Pisco, também eleito nestas eleições. “Durante esta última legislatura foi tomada a medida mais emblemática tomada até agora em matéria de Comunidades, com a passagem do universo eleitoral de 300 mil eleitores para mais de 1,4 milhões de eleitores”.

“De ano para ano, o número de eleitores vinha a decrescer e isso era negativo para o país e para as Comunidades” diz Paulo Pisco. “Inverteu-se este processo, inverteu-se uma situação que podia ser prejudicial. Agora temos de continuar a melhorar o processo para ir ainda mais longe”.

“Podemos ter um número de votantes ainda maior, mas eu continuo a achar que este aumento já foi muito positivo” conclui Carlos Gonçalves.

 

Carlos Gonçalves: objetivo foi cumprido

No círculo eleitoral da Europa, o PS ganhou com 31.362 votos (29,06%), enquanto o PPD/PSD ficou com 20.254 votos (18,77%). “Eleger um Deputado era o objetivo. Recordo que um mês antes das eleições já diziam que era impossível e que o PS ganharia os dois Deputados” conta Carlos Gonçalves ao LusoJornal.

Carlos Gonçalves explica que o Partido teve um resultado em Portugal que apenas o aproximou de 28% dos votos e na Europa, “os resultados eleitorais tendem a aproximar-se dos de Portugal”.

“Se notou bem, em Portugal, Rui Rio partiu para esta campanha eleitoral numa situação muito desfavorável, com cerca de 20% e pouco a pouco, durante a campanha, fui subindo nas sondagens, até chegar onde chegou” explica Carlos Gonçalves. “Mas quando o PSD começava a subir em Portugal, uma parte importante dos eleitores nas Comunidades já tinha votado, pelo que não se sentiu o reforço do fim da campanha”.

Carlos Gonçalves lembrou também que, mesmo se na última eleição teve uma larga vitória em relação ao Partido Socialista, “na eleição anterior quase não elegemos Deputado, e nesta, elegemos sem grandes dificuldades”.

 

Paulo Pisco fala em vitória histórica

O Deputado do Partido Socialista, Paulo Pisco, faz um “balanço extremamente positivo” da eleição e fala mesmo de “eleição histórica”.

Primeiro, porque “há mais de 20 anos que não elegíamos Deputados no círculo fora da Europa”, segundo porque “ganhámos em todas as áreas consulares e em todos os países na Europa” disse ao LusoJornal. “Aliás o Partido Socialista é o único partido a ter Deputados em todos os círculos eleitorais do país”.

Paulo Pisco destaca ainda o facto de, em França, “o PS superou o PSD com uma diferença de 13% e em certos casos tivemos o dobro dos votos do PSD”.

Quando ainda não se conhecia o nome da substituta de José Luís Carneiro, Carlos Gonçalves disse ao LusoJornal que “muito naturalmente este é um lugar para Paulo Pisco”. Mas já depois de ser dada a notícia da nomeação provável de Berta Nunes para as funções de Secretária de Estado das Comunidades, Paulo Pisco comentou apenas que “desejo que tenha um bom mandato. Tem qualidades reconhecidas”.

 

LusoJornal Artigos
Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 14 Votos
5.4
X