Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Livro de Tiago Martins sobre gastronomia portuguesa foi apresentado no Consulado de Paris

LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga LusoJornal | António Borga
Cultura

 

O livro “L’Histoire du Portugal dans mon assiette” de Tiago Martins, editado pela editora Cadamoste foi apresentado ontem no Consulado Geral de Portugal em Paris pela editora Sandra Canivet da Costa e pelo jornalista Carlos Pereira, Diretor do LusoJornal.

As primeiras palavras foram proferidas pelo Cônsul-Geral de Portugal em Paris que acolheu uma sala cheia – mesmo acrescentando cadeiras, houve quem tivesse ficado de pé – com um público português e francês. Carlos Oliveira destacou uma das funções do Consulado, a de dar a conhecer o trabalho dos lusodescendentes, e felicitou o autor do livro pela obra realizada.

Na sua intervenção, Carlos Pereira falou da história da emigração portuguesa para França e na marca que esta deixou no imaginário coletivo, tanto em Portugal como em França. “Há 30 anos não imaginávamos que hoje houvesse tantos lusodescendentes interessados na cultura portuguesa” disse. O Diretor do LusoJornal elogiou uma “geração descomplexada” que é francesa, mas que também adora Portugal. “Os franceses têm alguma dificuldade em perceber isto”.

Carlos Pereira apresentou Sandra Canivet da Costa, lusodescendente nascida em França, que queria contar a história de Portugal aos filhos. “Como não encontrou nenhum livro de história para crianças no mercado, decidiu escrever um e como nenhum editor aceitou editar, decidiu criar a sua própria editora”. Foi assim que nasceu a editora Cadamoste e o primeiro livro publicado por Sandra Canivet da Costa: “L’Extraordinaire Histoire du Portugal”. Numa primeira fase foi lançada a edição em francês, depois uma edição de bolso, uma edição bilingue (português e francês) e ainda uma edição em alemão.

“É impressionante como esta geração mais jovem, consegue desconstruir os preconceitos, tanto em Portugal como em França, sobre a Comunidade portuguesa. São lusodescendentes, descomplexados, mas também orgulhosos, tanto com a história do país como com o percurso dos pais” disse Carlos Pereira.

O livro de Tiago Martins, também ele nascido em França, a poucas ruas do Consulado português, apresenta 60 receitas de pratos portugueses, propostos por 60 Chefs cozinheiros de 11 países diferentes, de França, Portugal, mas também Suíça, Alemanha, ou até Canadá, Brasil e Macau. “Foram dois anos de trabalho na recolha de receitas, de coordenação com os Chefs, de uniformização dos textos e de correção” explicou o jovem autor de 31 anos que confessou que não cozinha bem, mas elogiou os pais, sentados na primeira fila, que propõem um prato de sardinhas com pimento no livro.

“Tiago Martins consegue derrubar o preconceito francês que os Portugueses comem bacalhau todos os dias” disse Carlos Pereira.

A particularidade do livro são as “histórias” que Tiago Martins escreveu no fim de cada receita, com curiosidades relacionadas com a receita. Alguns textos mais alargados ajudam a perceber a origem de alguns pratos e a sua relação com a (extraordinária) história de Portugal.

Cerca de 10 Chefs estavam presentes na sala, alguns fizeram intervenções, outros, não podendo estar presentes, enviaram vídeos.

O livro tem tido uma “boa imprensa” e os presentes rasgaram-se em elogios.

 

Donativos LusoJornal
X