Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

 

O programa Raízes, difundido nas ondas de Rádio Plurielle, na região de Lyon, a partir de Saint Priest, na frequência 91.5 FM, recordou, no domingo passado, a Revolução do 25 de Abril de 1974.

A música e as canções da época também serviram para recordar este dia onde a Democracia foi colocada mas mãos do povo português, através da Revolução dos Cravos e que deixou recordações inesquecíveis para os Portugueses.

Passados 47 anos, a equipa de animadores do programa perguntou aos muitos convidados “como viveram este dia e os anos que o precederam”.

Todos foram unânimes em dizer que foi uma “boa mudança” para Portugal “porque o país estava numa posição difícil de isolamento na Europa e com uma guerra colonial ativa”. A ditadura que durava há já quarenta anos, “nada tinha feito para o povo português, a não ser mantê-lo na cauda da evolução social e económica da Europa”.

Todos os convidados estavam na cidade de Lyon em abril de 1974 e descobriram a notícia pela televisão e pela rádio francesa no decorrer do dia.

José Mendes, Álvaro Rito e o fundador da rádio Plurielle, P. Berger, comentaram muito positivamente este evento que teve consequências muito importantes para o povo português e para a sua representação na Europa desse tempo.

“Nesse dia, no meio associativo que já existia, esta grande notícia deu muita alegria e também trouxe muitas esperanças para uma grande mudança no regime político e também no futuro da sociedade portuguesa. A partir dos anos oitenta, em cada aniversário do 25 de Abril, a festa era de rigor e os valores de Abril eram recordados” disse Álvaro Rito na entrevista ao programa Raízes. “A maior parte dos responsáveis associativos faziam tudo para que sempre fosse uma festa de esperança e de alegria. Os Portugueses deviam sempre transmitir estes valores às camadas mais jovens, para que nunca se esqueçam dos valores de Abril, sobretudo a Liberdade”.

“Recordo muito bem este dia, eu era ainda um jovem de 17 anos e estava em França há cerca de dois anos para evitar ir para a tropa fazer o meu serviço militar e talvez ir combater para as Colónias. A partir desse dia, todas as expectativas e cenários eram possíveis, mas sobretudo a de um Portugal livre da ditadura e com mais liberdade” disse José Mendes no decorrer da entrevista feita pelo telefone.

Na região de Lyon o confinamento fez com que este aniversário fosse essencialmente “virtual”, sem eventos, como tinha já acontecido no ano passado.

 

Comunidade
X