Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Memorial aos Soldados Portugueses da Grande Guerra foi inaugurado em Beausoleil

LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira LusoJornal / Carlos Pereira

Foi inaugurado este fim de semana, em Beausoleil, uma cidade na fronteira com o Mónaco, um Memorial aos Soldados Portugueses que participaram na I Guerra Mundial, numa iniciativa do Cônsul Honorário de Portugal em Nice e também Presidente da Delegação PACA da Câmara de comércio e indústria franco-portuguesa (CCIFP), Joaquim Pires.

As ruas da cidade foram decoradas com as bandeiras portuguesas, porque na inauguração esteve o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, o Embaixador de Portugal em França, Jorge Torres Pereira, o Cônsul Geral de Portugal em Marseille, Pedro Marinho da Costa e o Deputado Paulo Pisco, eleito pelo círculo eleitoral da Emigração.

O Memorial foi colocado no talhão militar do Cemitério de Beausoleil. «O Maire de Beausoleil disse-me que há 27 anos que não vinha cá à cidade, nenhuma autoridade portuguesa» explica Joaquim Pires ao LusoJornal. «Eu disse-lhe que andam sempre a falar da Grande Guerra, mas nunca falam dos Portugueses. Sugeri que se inaugurasse um monumento aqui no sul, porque não havia nenhum, porque ninguém fala dos Portugueses. Ele achou uma excelente ideia. Falámos disso com os Administradores da Câmara de Comércio no sul e decidimos fazer este Memorial para lembrar os soldados portugueses que morreram em França».

«O contributo dos Portugueses para a I Guerra Mundial e para a vitória dos valores da paz e da liberdade, é muito desconhecido das novas gerações, não apenas em Portugal, e muito naturalmente também nas novas gerações de lusodescendentes em França» explicou José Luís Carneiro ao LusoJornal. «Daí que, no âmbito das comemorações do Centenário, que contaram com a presença dos Presidentes da República portuguesa e francesa e com o Primeiro Ministro português, e tendo havido esta iniciativa do nosso Cônsul Honorário em Nice, que também é representante da Câmara de Comércio franco-portuguesa no sul da França, em articulação com os empresários Portugueses e com o Município de Beausoleil, entendemos associarmo-nos a esta iniciativa que tem fundamentalmente este objetivo: dar a conhecer aos jovens lusodescendentes, e aos Franceses em termos gerais, o contributo que os Portugueses deram para a vitória dos Aliados na I Guerra Mundial».

Em resumo, o Secretário de Estado português assume que «a minha presença aqui visa por um lado agradecer às autoridades locais e àqueles que se entregaram a esta homenagem, e ao mesmo tempo dar-lhes conta que o Governo português e a nossa Embaixada valorizam o esforço que foi desenvolvido».

 

Mais de um terço da cidade é ‘portuguesa’

O Maire da cidade, Gérard Spinelli, estava visivelmente contente com esta iniciativa e deixou muitos elogios à Comunidade portuguesa. Esteve acompanhado, na inauguração do Memorial, por alguns elementos da equipa municipal, nomeadamente pelo Maire-Adjoint franco-português Jorge Gomes.

«Mais de um terço da população – por volta de 37% – é franco-portuguesa ou binacional, como é o meu caso» explicou ao LusoJornal Jorge Gomes. «Em grande maioria vêm da zona norte, entre Guimarãses e Braga. 70 a 80% dos Portugueses que aqui moram vêm daquela região». Uma grande parte trabalha no Mónaco.

«Soube que o Maire visita regularmente Portugal e a cidade de Guimarães. Uma parte significativa dos Portugueses que vivem aqui neste município é de Guimarães, e da região norte em geral» diz José Luís Carneiro ao LusoJornal. «Nota-se da parte do Maire e de outras autoridades, por um lado um sentimento muito profundo de respeito pelos Portugueses, e ao mesmo tempo clarividencia no reconhecimento da importância que eles têm, não apenas para o investimento que aqui se realiza nos setores da restauração, da construção civil, da hotelaria, dos serviços, mas também no contributo que dão para garantir investimento que a partir daqui se desloca para Portugal».

No seu discurso, o Secretário de Estado falou em português para destacar a importância da Comunidade portuguesa naquela cidade, considerando que «sois exemplo de dedicação e de integração, que testemunho em cada visita que faço a este país, quer no contacto direto convosco, quer nos encontros que tenho com as autoridades francesas». E depois acrescentou ainda que «o vosso contributo para a paz é hoje o do vosso trabalho diário, assegurar a prosperidade deste vosso país de acolhimento que é a França e com isso, contribuem também para o desenvolvimento do vosso país de origem, Portugal. Quero por isso agradecer-vos a forma como cada um de vós, e enquanto Comunidade perfeitamente integrada e respeitada, continua a prestigiar Portugal em França».

 

Um dia inteiro dedicado a Portugal

O Memorial foi construído com pedra que veio de Portugal, «feito por uma empresa portuguesa, com um escultor português, a partir de um desenho feito no meu escritório» explica Joaquim Pires. «Decidimos fazer dois soldados, a sair da pedra. Acho que é uma estátua fantástica porque quando se olha para ela, quer dizer tudo. Quem olha para ali, sabe que são soldados portugueses».

Gérard Spinelli convidou o Abade da Paróquia de Saint Esprit de Beausoleil a benzer o Memorial. Fabrice Caillol fez a benção em latim.

Mas antes disso ouviram-se os dois hinos nacionais. O de Portugal foi acompanhado em coro pelos alunos da professora Alice Machado, de várias escolas da cidade.

Depois da inauguração, a comitiva seguiu para o Centro Cultural da cidade, onde foi inaugurada uma exposição realizada pelo Instituto Camões sobre a participação dos Portugueses na I Guerra Mundial.

O Embaixador de Portugal disse que «este é um segundo capítulo de um esforço que fizemos neste ano de centenário para lembrar a participação do Corpo Expedicionário Português na frente da Flandres. O primeiro capítulo foi em Richebourg, na presença dos Presidentes da República dos dois países».

Nos jardins da Mairie, o Maire Gérard Spinelli ofereceu uma receção. Estavam presentes vários empresários portugueses da região, autoridades do Mónaco, a Cônsul Honorária de Portugal no Mónaco, a manequim portuguesa Tasha de Vasconcellos, entre muitas outras personalidades e discursou também um representante da Secretária de Estado junta da Minista francesa da defesa.

 

Almoço no Mónaco

Apesar de haver em Beausoleil vários restaurantes portugueses, nenhum era suficientemente grande para acolher a comitiva portuguesa e os demais convidados para um almoço que o Maire da cidade ofereceu. Por isso, a escolha recaiu, muito naturalmente no mítico Café de Paris, no Mónaco.

Porém, antes, no seu discurso Gérard Spinelli lembrou que é Francês de origem italiana e que a mulher é Tailandesa. «Por isso, sinto-me cidadão do mundo».

José Luís Carneiro disse-lhe que «hoje, em Beausoleil, celebramos a paz, celebramos também a União Europeia, a nossa comunidade de valores partilhados. Celebramos a democracia, a liberdade, a igualdade, a solidariedade, a fraternidade, o respeito da Lei e dos Direitos do Homem. Hoje em Beausoleil, estamos a celebrar também a profunda amizade entre a França e Portugal. Solidários e aliados nos conflitos de ontem, como nos de hoje. Parceiros no seio da União Europeia, a França e Portugal vão continuar sempre, tenho a certeza, a reforçar a sua amizade, porque esta está fundada nos laços do sangue e dos valores entre os nossos povos».

Nos salões do Café de Paris, pediu ao padre Fabrice Caillol para abençoar o almoço. O Pároco da igreja de Saint Esprit voltou a fazê-lo em Latim.

A partir de agora, este é o único Memorial, no sul da França, em homenagem aos soldados portugueses do Corpo Expedicionário Português, que vieram para França combater durante a I Guerra Mundial.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 8 Votos
3.0
X