Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Introspeção

 

Num acordar de inocências sem destreza,

Nas gavetas da minha infância por sorrir,

Pés descalços na pobreza

Um amanhã que teimava não se abrir.

 

Todo o desalinho do que creio

Num mundo pleno de verdura,

Meus cabelos louros em passeio

No trigo ensolarado da candura.

 

Mas a precocidade de mulher me tomou:

E a boneca de trapos ganhou siso.

Corpo em cama fria me cansou,

Olhos eternidade, meu paraíso.

 

Ao preto rebelde dos teus cabelos

Minha alma em branco eu abri,

Virgem solidão dos penedos,

Margarida desfolhada me senti!

 

O regaço que me ofereceste,

Teus lábios, livro aberto, perdição.

Nostalgia do que me não deste:

Futuro, mão na mão.

 

Piedade Soares Ly

 

Ro et Cut B1

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 31 Votos
6.6
X