Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Desporto

 

O único candidato à Federação de Desportos de Inverno de Portugal (FDIP), Pedro Flávio, foi eleito na semana passada, por unanimidade, e tem como um dos objetivos levar mais atletas e mais modalidades aos Jogos Olímpicos de Inverno Milão-Cortina d’Ampezzo2026.

Vice-Presidente da Federação liderada durante três mandatos por Pedro Farromba, que vai continuar na direção, Pedro Flávio sublinhou que, além do esqui, representado em Pequim2022 por três atletas, foi “por muito pouco” que falhou a qualificação de um patinador de velocidade e de um snowboarder, que espera estejam presentes nos Jogos Olímpicos de Inverno a realizar em Itália.

O antigo esquiador covilhanense, de 46 anos, adiantou existir a expectativa de tentar também a qualificação de um atleta de patinagem artística no gelo e de uma equipa de duas pessoas no bobsleigh.

Pedro Flávio salientou existir uma aposta em criar condições para que os atletas a residirem no país se revelem e possam evoluir, mas frisou a intenção de continuar a procurar talentos junto da diáspora, em países onde as Comunidades portuguesas têm expressão e a prática de desportos de inverno está disseminada.

“O nosso objetivo é que a Federação continue a crescer, que consigamos concretizar alguns dos projetos que tínhamos em mãos e que não conseguimos ainda implementar, pela sua complexidade e pela necessidade de investimento, concretizar alguns projetos novos e continuar a evoluir e a melhorar a prática desportiva e os resultados desportivos”, sintetizou o sucessor de Pedro Farromba na presidência da Federação de Desportos de Inverno.

Segundo Pedro Flávio, desde 2010 na direção da FDIP e há oito anos na vice-presidência da estrutura, foi feito um “trabalho de credibilização” junto de organismos nacionais e internacionais a que é necessário “dar continuidade”, com conhecimento dos dossiers, para permitir o desenvolvimento das modalidades de neve e de gelo que a federação tutela.

“Ambicionamos a captação de mais atletas, a obtenção de melhores resultados, porque se conseguirmos criar melhores condições para os atletas treinarem, para os atletas poderem participar em mais competições, os resultados acabam por surgir”, enfatizou Pedro Flávio, em declarações à Lusa.

 

Donativos LusoJornal
X