Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

 

A autarca de Vila Real de Santo António (Faro), que já renunciou ao mandato, e outros três arguidos da “Operação Triângulo” saíram ontem em liberdade, com proibição de contactos entre si e com o Deputado António Gameiro.

No final do primeiro interrogatório judicial, que começou na quarta-feira à tarde e, após ser suspenso já de noite, foi retomado ontem de manhã e terminou à noite, o juiz presidente da Comarca de Évora, José Francisco Saruga Martins, comunicou aos jornalistas os crimes de que estão “fortemente indiciados” e as medidas de coação dos arguidos.

Segundo o juiz presidente, há cinco arguidos neste caso, que envolveu quatro detenções na terça-feira, no âmbito da “Operação Triângulo”, desencadeada pela Diretoria do Sul da Polícia Judiciária (PJ).

Os arguidos são a presidente da Câmara de Vila Real de Santo António, Conceição Cabrita, o empresário Carlos de Matos, não só a título individual, mas também na qualidade de representante legal da Sociedade Saint Germain – Empreendimentos Imobiliários SA, João Faustino Ribeiro e José Maria Mateus Cavaco Silva.

A autarca, que o município revelou ontem ter renunciado ao mandato autárquico, é suspeita de “um crime de corrupção passiva de titular de cargo político” e de “um crime de prevaricação de titular de cargo político”, segundo o juiz presidente.

Como medidas de coação, o juiz de instrução criminal de Évora ao qual foi presente determinou que está proibida de “permanecer nas instalações e de contactar os serviços da Câmara de Vila Real de Santo António”.

A autarca (PSD) está também proibida de manter “contactos diretos e indiretos com os demais arguidos”, assim como com o Deputado António Ribeiro Gameiro (PS), funcionários e colaboradores e com funcionários e representantes da Sociedade Saint Germain – Empreendimentos Imobiliários, SA.

 

Comunidade
X