<i class= LusoJornal / Mário Cantarinha"fa fa-camera" aria-hidden="true"> LusoJornal / Mário Cantarinha

Paris: Tributo de Marcelo Rebelo de Sousa aos mortos da I Guerra Mundial no Arco do Triunfo

O Arco do Triunfo não tinha tanta gente como se podia esperar, mas a homenagem ao Soldado desconhecido teve a dignidade que merecia ter. O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e o Primeiro Ministro António Costa, chegaram juntos à rotunda mais conhecida de Paris. A espera estava a Maire de Paris, Anne Hidalgo, a Secretária de Estado francesa da Defesa e o Governador Militar de Paris.

Debaixo do Arco do Triunfo, entre representantes de entidades como o Núcleo de Paris da Liga dos Combatentes, encontravam-se a assistir alguns descendentes de soldados portugueses que participaram no conflito mundial, o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Almirante António Silva Ribeiro, o Ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, além de Deputados de todos os Partidos portugueses com assento parlamentar.

Antes do Presidente da República chegar, foi lembrado aos participantes que a cerimónia do «reavivar da chama» tem lugar todos os dias, à mesma hora, desde 1923.

Os Hinos de Portugal e da França foram cantados pelos alunos das 4 Secções internacionais portuguesas de Saint Germain-en-Laye, Paris Montaigne, Paris Balzac e Chaville. Depois fez-se um minuto de silêncio.

Num dos espaços laterais do Arco do Triunfo estavam dezenas de autarcas portugueses que se associaram a esta homenagem ao Soldado desconhecido, no quadro das comemorações do centenário da Batalha de La Lys.

As invocações da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial prosseguem hoje, segunda-feira, no Cemitério Militar Português de Richebourg, no norte de França, nas quais participará também o Chefe de Estado francês, Emmanuel Macron.