Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Pelo menos 4 companhias francesas de circo vão participar na primeira edição do Festival Internacional de Circo do Porto, que se realiza de 13 a 16 de setembro, no Coliseu Porto, mas também em praças e jardins da cidade. São mais de 40 espetáculos, um projeto de Circo Social e uma Conferência Internacional, tudo de acesso gratuito.

O I Festival Internacional de Circo do Porto é organizado pelo Coliseu Porto em parceria com a Porto Lazer – empresa municipal da Câmara Municipal do Porto – e contou com financiamento comunitário, através do NORTE 2020, no âmbito do Portugal 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER). Foi a primeira vez que o Coliseu se candidatou a fundos europeus e conseguiu ser selecionado.

Os números vão distribuir-se pela Praça dos Poveiros, Largo de Santo Ildefonso, Praça da Batalha e Jardim de São Lázaro. O chapitô da cidade será o Coliseu Porto, que vai receber os espetáculos de maior dimensão.

 

“Lapsus” vai apresentar “Six Pieds sur Terre”

Até ao momento foram anunciadas algumas das 12 companhias, entre as quais as francesas “Lapsus”, “The Rat Pack”, “HMG” e “Clément Dazin”, e as belgas “D’Irque & Fien” e “kRaK”. A organização do evento diz que na primeira semana de setembro será desvendado o programa completo.

A companhia francesa “Lapsus”, por exemplo, vai apresentar “Six Pieds sur Terre”, no sábado 15 de setembro, às 21h30, e domingo 16, às 17h30. Juntos, os seis performers constroem monumentos distorcidos, torres mais bambas do que sólidas, pontes mais frágeis do que fiáveis. Mais cedo ou mais tarde, tudo se desmorona e desaparece como um castelo de cartas, diante dos nossos olhos. No meio da alegre confusão e da constante provocação, seis pares de pés passeiam-se unidos sobre a Terra.

 

Franceses “The Rat Pack” abrem o festival

O primeiro espetáculo do I Festival Internacional de Circo do Porto no Coliseu será “Speakeasy”, da companhia francesa “The Rat Pack”, quinta-feira, 13 de setembro, às 21h30.

“Speakeasy” era o nome dado aos bares clandestinos que proliferaram durante a proibição do álcool nos anos 20 e 30 do século passado, nos Estados Unidos. É para o ambiente sombrio, da ilegalidade gangster nova-iorquina, que os seis performers e acrobatas vão transportar o público. “Speakeasy” é um cocktail que mistura cinema, teatro, trip-hop, amores proibidos e “acrobacias de tirar o fôlego”, como descreveu recentemente o canal de televisão francês M6, a propósito das muitas atuações da companhia no Palais des Glaces, em Paris, onde estará até ao início de setembro.

A banda sonora original foi composta pelo coletivo francês de trip-hop DJ Chinese Man. Uma criação eclética de uma companhia única, para ser descoberto pela primeira vez em Portugal. “Speakeasy” regressa ao Coliseu no dia seguinte, dia 14 de setembro, à mesma hora.

Os espetáculos espalhados pela cidade serão a componente mais visível do evento. Mas há outras componentes importantes. Uma delas será a Conferência Internacional, um espaço de discussão e literacia para o novo circo e o estado da arte em Portugal e na Europa. Os membros do painel serão revelados no início de setembro.

Por fim, o público vai poder ver o resultado do “Circo Social”, um projeto de serviço educativo e residência artística que, desde abril, dá a oportunidade a um grupo de jovens da freguesia do Bonfim de conhecer e aprender as artes circenses. Estes rapazes e raparigas frequentam gratuitamente, até setembro, várias disciplinas educativas e artísticas do circo clássico e da sua vertente contemporânea, o Novo Circo.

Sob a direção artística do ator, encenador e formador Eduardo Dias, os alunos do “Circo Social” ajudaram a desenvolver uma performance que apresentarão em estreia absoluta no I Festival Internacional de Circo do Porto: “Calçada”.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
9.5
X