Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O piloto francês Sébastien Petit, ao volante de um carro de alta competição, teve um acidente aparatoso e viu o seu carro arder neste domingo na prova da Rampa Internacional de Falperra, em Braga. Apesar do susto, Sébastien Petit não corre perigo de vida e até terminou no 4° lugar na classificação final da prova organizada pelo Clube Automóvel Do Minho.

O vencedor da prova foi o Italiano Christian Merli que venceu pela primeira vez, realizando o melhor tempo da prova de 2019 com 1m 46s 944, e com o melhor tempo cumulado, onde se guardam unicamente os dois melhores tempos das 3 corridas/subidas cronometradas, com 3m 35s 013.

Christian Merli ficou à frente de um outro Italiano Simone Faggioli, que já venceu seis vezes a prova, e do Austríaco Christoph Lampert. O primeiro francês foi Sébastien Petit que acabou no 4° lugar. De notar que dois outros franceses terminaram a prova: Philippe Schmitter Frey no 17° lugar e Christian Schmitter na 19ª posição.

O primeiro português, José Correia, aparece no 16° lugar, enquanto o segundo melhor luso foi Patrick Cunha, no 20° lugar, e o terceiro foi José Silvino Pires na 21ª posição.

História da Rampa da Falperra

A Rampa da Falperra é um prova desportiva automóvel organizada pelo CAM – Clube Automóvel do Minho – e que decorre em Braga, Portugal. O traçado possui 5,2 quilómetros de extensão e sobe 262 metros. A prova faz parte do calendário do Campeonato Europeu de Montanha da FIA e conta ainda para os Campeonatos Nacionais de Montanha de Portugal e Espanha.

Descendente da Rampa de Braga, que teve duas edições em 1927 e 1931, a Rampa da Falperra nasceu verdadeiramente em 1950. Desde 1978 passou a gozar de um estatuto internacional.

 

LusoJornal Artigos
Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 6 Votos
7.3
X