Saúde: Mitos sobre o stress

Comunidade


O stress é igual em todas as pessoas?

Falso!

O stress é a soma de respostas físicas e mentais do nosso organismo causadas por determinados estímulos externos (estressores), que permitem superar determinadas exigências do meio ambiente. Portanto, é uma resposta natural e fisiológica, tanto em animais como em humanos. A manutenção de um estado de stress por longos períodos é que pode ser prejudicial à saúde.

Mas o stress não é igual em todas as pessoas: às vezes, o stress pode ser uma força positiva, motivando o indivíduo a melhorar (no trabalho, no desporto). Outras vezes pode ser negativo (como quando estamos presos no trânsito).

Além de ser sentido como positivo ou negativo, segundo a situação que provoca o stress, este também varia de pessoa para pessoa. Cada um de nós tem um limiar de resistência diferente e reagimos ao stress de maneira diferente. Algumas pessoas retiram-se; algumas pessoas experimentam ansiedade; outras tornam-se explosivas.
.

Uma pessoa calma não pode ter stress?

Falso!

Como comentamos anteriormente, o stress é uma resposta fisiológica do corpo a um estímulo, portanto, todas as pessoas, sejam elas calmas ou não, podem ter stress.

Todos convivemos com múltiplos desafios diariamente: pagamentos, prazos, horários, trânsito… situações que podem provocar stress.

Porém, pessoas pessimistas, que veem sempre o lado negativo das coisas, estão submetidas a maior stress por causa da forma como lidam com estas situações stressantes.
.

Só tem stress quem tem sintomas?

Falso!

O stress provoca inúmeros sintomas, tanto físicos como emocionais e cognitivos: dores de cabeça e musculares, tensão nos ombros, diarreia, azia, irritabilidade, dificuldades na concentração, irritabilidade e mau humor, entre outros.

Mas há pessoas que sofrem de stress crónico, que é um stress constante, que nunca desaparece, como se fizesse parte delas próprias. Com o tempo, o stress crónico acabará por fazer com que o corpo e a mente comecem a dar sinais… Não devemos ignorar o stress nas nossas vidas, simplesmente porque não sofremos ou sofremos pouco agora. A ausência de sintomas não equivale a uma ausência real de stress.
.

O stress engorda?

Meia verdade!

O stress pode causar mudanças no apetite, tanto podemos perder apetite ou comer em excesso. Essas mudanças no apetite também podem causar flutuações no peso durante períodos estressantes. Além disso, para algumas pessoas o ato de comer pode ajudar a lidar com as tensões. Sabemos também que o stress provoca alterações químicas no organismo e pode estar por trás ao aumento dos índices de obesidade registados nos últimos anos: ocasiona aumento da grelina, que é uma hormona gástrica responsável pelo aumento do apetite e eleva os níveis de cortisol que, por si só, aumenta a gordura abdominal.
.

O stress causa cabelos brancos?

Falso!

Mas sim, pode causar queda de cabelo. Durante os períodos de stress, o organismo liberta uma substância que aumenta a produção de estriol, que, por sua vez, bloqueia a entrada de nutrientes na região capilar, o que causa um término prematuro da fase de crescimento e leva a queda de cabelo.
.

O álcool ajuda a relaxar e a diminuir o stress?

Falso!

Algumas pessoas acabam por recorrer a hábitos negativos como o aumento do consumo de álcool e o tabagismo, para lidar com as tensões e tentar relaxar.

A resiliência sim, pode ajudar-nos. Trata-se da capacidade do indivíduo para lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas sem entrar em stress, encontrando soluções estratégicas para enfrentar e superar as adversidades. E é essa a capacidade que devemos treinar para gerir o stress do nosso dia a dia.

A chave é descobrir o nosso próprio programa de gestão de stress, que nos ajude a adaptar às mudanças, e a tentar superar obstáculos e também a resistir à pressão de situações adversas sem entrar em stress. Vai fazer com que encontremos soluções para enfrentar e superar as adversidades. Lembremo-nos que o stress depende de como encaramos as coisas!

Dra. Socorro Piñeiro

Neurologista

Hospital Lusíadas Amadora

Donativos LusoJornal