Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Altina Ribeiro e Manuel do Nascimento apresentaram livros no Musée de la Toile de Jouy-en-Josas

LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha
Cultura

 

No quadro da Temporada França Portugal 2022, o Musée de la Toile de Jouy-en-Josas (78) inaugurou no dia 2 de junho uma exposição da coleção de Pereira de Sampaio, intitulada «Les Chitas d’Alcobaça». No quadro desta exposição, na semana passada, dia 18 de setembro, os escritores Altina Ribeiro e Manuel do Nascimento foram convidados para apresentar o seu trabalho no Museu.

Altina Ribeiro, que assegura a Presidência da Sociedade dos Autores Lusófonos em França (SALF), foi convidada pela Direção do Museu e convidou, por sua vez, os autores membros da estrutura. Apenas Manuel do Nascimento – que entretanto também já tinha sido convidado pelo editor – respondeu presente. “Infelizmente nem todos estavam disponíveis e os que estavam previstos para vir, à última da hora também tiveram de cancelar porque tiveram outras obrigações pessoais, portanto só estamos os dois”.

Os autores visitaram a exposição comissariada por Madalena Braz Teixeira, com tecidos da coleção do casal Maria do Céu e Luís Pereira de Sampaio, propriedade agora do filho-herdeiro Jorge Pereira de Sampaio.

Agora aposentada, Altina Ribeiro passou sete semanas em Portugal durante este verão. “Aproveitei muito bem das férias, mas ao mesmo tempo também ‘trabalhei’ – entre aspas, porque para mim isto não é um trabalho” disse ao LusoJornal. Com efeito, apresentou em Portugal a edição portuguesa do livro “Dona Zézinha” que saiu em maio deste ano. “O lançamento teve lugar em Fafe, no dia 22 de junho, com apresentação de Artur Coimbra, depois também tive o prazer de ir apresentar este livro na aldeia onde nasceu Carlos Alexandre, a pessoa que me contou a história da mãe. Apresentei o livro na sede da Junta de Freguesia de Vilar Maior, uma aldeia do concelho de Sabugal. Foi nessa região que a Dona Zézinha, a professora protagonista da minha história viveu e foi ali que nasceu o filho. Ela ensinou naquela região entre a Guarda e o Sabugal, em várias aldeias” disse a autora ao LusoJornal. “Eu tive a oportunidade de encontrar ex-alunos da professora e até o passador do Carlos Alexandre, quando ele veio para França a salto. Foi com muita emoção que eu encontrei essas pessoas”.

Finalmente, Altina Ribeiro apresentou a obra na Biblioteca Municipal de Chaves, o concelho de onde é natural, porque nasceu em São Vicente da Raia.

Manuel do Nascimento confessou ao LusoJornal que não “trabalhou” durante as férias em Portugal. “Estive sobretudo em Lisboa de férias, não tive nenhuma apresentação durante este verão, mas visitei muitos sítios e aprendi várias coisas. Estou sempre a tomar apontamentos para os meus próximos livros”.

Manuel do Nascimento trabalha atualmente em mais dois livros, um para ser editado em França e outro em Portugal, durante o próximo ano.

A exposição «Les Chitas d’Alcobaça» continua patente ao público até 15 de janeiro.

 

Château de l’Eglantine

54 rue Charles de Gaulle

78350 Jouy-en-Josas

 

Donativos LusoJornal
X