Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Associação Portuguesa de Limeil Brévannes organizou Festa com novo Presidente

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

Agora com um novo Presidente, recentemente eleito, a Associação Cultural Portuguesa de Limeil Brévannes organizou uma festa na Sala La Boîte à Clous com a participação de Flor, Gabriel Santos e o duo Inv3rsus, seguido de baile animado pelo agrupamento musical Talento.

Rui Manuel Nunes assumiu a Presidência da associação há exatamente dois meses. “Foi um pedido que me foi feito pelo antigo Presidente para eu acompanhar este grupo e assumo estas funções com orgulho no coração”.

O primeiro evento que o novo Presidente quer desenvolver é o grupo folclórico Lembranças do Ribatejo com raízes em Salvaterra de Magos. “Para mim é uma honra, porque para além de ter uma costela transmontana e outra lisboeta, também tenho uma costela ribatejana” conta ao LusoJornal.

Rui Manuel Nunes garante que a Maire da cidade vai apoiar a associação. “Ela quer-nos acompanhar e eu só tenho a agradecer”.

 

Autarquia vai apoiar a associação

Presente na festa, a Maire da cidade, Françoise Lecoufle disse ao LusoJornal que vai apoiar a associação. “Muitos Portugueses vieram para o Val-de-Marne, em particular para a nossa cidade e nós gostamos muito de partilhar com eles a sua cultura, os seus cânticos e danças, a sua gastronomia… é magnífico” diz a autarca. “O novo Presidente pode contar connosco para desenvolver as atividades folclóricas, mas não só, também para terem um espaço de intercâmbio onde se possam encontrar para se sentirem bem aqui, não apenas entre eles, mas também com os outros habitantes da cidade que não forem Portugueses”.

Françoise Lecoufle explica ao LusoJornal que “nós vamos ter novos locais, vamos poder emprestar-lhes uma sala porque eles estão prontos para começarem a ensaiar à sexta-feira, mas por enquanto não têm condições para ensaiar. Nós compreendemos bem a situação”.

Françoise Lecoufle diz que “os Portugueses estão espalhados por muitas cidades, mas gostam de estar juntos, de organizar os seus momentos, isso é magnífico”.

 

Um espetáculo completo

Pelo palco passaram Flor, vinda especialmente de Portugal, o duo Inv3rsus e o jovem Gabriel Santos. “São pessoas que eu já acompanhei, fiz espetáculos com eles. Quando eu lhes pedi para este espetáculo, eles disseram-me logo que sim, ajudaram-me, aceitarem vir a este evento. Para mim, todos têm o mesmo valor” diz o Presidente Rui Manuel Nunes, que já foi animador na Rádio Eglantine nos anos 80.

Flor explicou que Rui Manuel Nunes, mais conhecido pelo diminutivo “Manu”, lhe tinha falado na hipótese de vir a assumir a presidência de uma associação. “Um dia prometeu que eu seria a primeira artista a ir cantar à associação”. E assim aconteceu, precisamente quando a associação festeja o seu 30° aniversário. “É uma honra e é um prazer” diz a cantora ao LusoJornal. “Quando eu gosto de alguém é logo à primeira vista e o Manu conta muito para mim. E na primeira festa enquanto Presidente, cumpriu com a palavra e convidou-me”.

 

Flor vai lançar um novo álbum

Esta não é propriamente a primeira vez que Flor vem cantar a França. Tem vindo muitas vezes, assim como a outros países espalhados pelo mundo. “É sempre um prazer cada vez que venho cá fora ao encontro dos Portugueses espalhados pelo mundo – eu não gosto de dizer emigrantes – porque eles espalham o melhor de Portugal. É sempre um prazer podermos sentir que conseguimos ajudar os nossos Portugueses que muitas vezes estão longe da família, de Portugal, e nós conseguimos fazer com que matem um pouco as saudades quando estamos em palco e isso é muito gratificante”.

A cantora é conhecida pela sua simpatia e notava-se que tinha muitos fãs na sala. “Eu costumo dizer que tenho uma estrelinha comigo. No fundo, eu tinha três sonhos: um deles era ir ao estádio da Luz e agora vou muitas vezes. Outro era ser cantora profissional e também consegui. E finalmente era ter um restaurante meu, porque sempre adorei a cozinha e vivi nesse meio, e hoje também consegui porque sou a proprietária de um restaurante na Praia de Mira. Tenho mesmo uma estrelinha comigo” confessou ao LusoJornal.

No fundo, outro dos sonhos de Flor era ser editada pela Espacial. “Era um dos meus objetivos desde pequena” diz a sorrir. E é precisamente na Espacial que vai lançar o novo álbum. “Cada disco que nós tiramos, é como um novo bebé que nasce, quem faz isto por paixão sabe disto, depois se é sucesso ou não, é o público que decide. O mais importante é sentir o carinho e os mimos de quem nos rodeia e de quem gosta de nós”.

 

Inv3rsus: Cláudio e Elvira, um grupo luso-albanês

A melhor forma de descrever o duo Inv3rsus, que também subiu ao palco de Limeil Brévannes, é aquela que foi feita pelo Presidente da associação: “é um casal lindo, marido e esposa, um casal maravilhoso”.

“O Rui é um bom homem” diz por seu lado Cláudio. “Quando soubemos que ele queria artistas para esta desta da associação, nem pensámos duas vezes, telefonámos ao Manu e demos o nosso contributo para estarmos aqui esta noite”.

Cláudio tem 35 anos, é Português de Cascais. Elvira é Albanesa. “Eu andava a cantar por Portugal e ela pela Albânia. Há 5 anos, ela sugeriu fazermos um duo e o público gosta. Eu sempre sonhei ser cantor e sou artista, mas nunca pensei na minha vida cantar em dueto e agradeço a Deus por nos ter dado esta felicidade”.

Elvira fala um português praticamente sem sotaque. “Comecei a aprender o português com a leitura, porque cantar e compreender são duas coisas diferentes, depois foi a falar com a minha sogra e com os meus cunhados, que não falam francês”.

Quando os Inv3rsus começaram a cantar notava-se que muitos dos presentes já os conheciam. Mas quem não conhecia ainda, foi-se aproximando. “É o público que nos motiva a cantar, o público dá-nos uma força enorme, a força do público” dizem ao LusoJornal. Os concertos vão-se agendando, não apenas em França, mas também no Luxemburgo, na Suíça e até na Austrália.

 

Gabriel dos Santos, uma voz para descobrir

Gabriel Santos é um jovem cantor para descobrir. “Tem uma linda voz, vai conseguir na vida e eu espero ajudá-lo. Devemos dar valor aos artistas portugueses de cá” diz Rui Manuel Nunes.

Quando subiu ao palco, conseguiu pôr toda a sala a cantar e a dançar. “Comecei tarde na música, mas sempre foi uma paixão para mim, sempre gostei de cantar na minha casa de banho, na cozinha e a um momento da minha vida, tive um ‘declic’ e disse, porque não tentar. Disseram-me que tinha uma voz, que tinha de trabalhar, claro, e é aquilo que faço” conta ao LusoJornal.

Gabriel Santos começou no grupo musical Pacifique Music onde foi o cantor principal. “Tudo começou numa brincadeira, o meu produtor estava a explicar-me como se fazia uma música, eu não sabia como se fazia, ele tocou duas ou três notas, pediu-me para escrever um texto, peguei num episódio da minha vida e escrevi o meu primeiro tema. Trabalhámos esse tema durante 3 ou 4 meses e depois decidimos editá-lo num clip que foi para as redes sociais. Foi aí que disse ‘tenho de fazer qualquer coisa’”.

O segundo tema foi “Primera vista” e agora Gabriel Santos prepara-se para lançar o terceiro título.

“Mesmo eu nem acredito que as pessoas já conheçam os meus temas. Quando eu me ocupo das redes sociais, estou detrás de um computador ou de um telefone, não vejo a reação das pessoas, o facto de estar em palco, permite-nos ver que há quem nos segue. É impressionante. Estou super contente por estar aqui neste palco”.

Gabriel Santos diz estar a preparar “4 ou 5 temas”. “Dou-me a fundo, tenho algumas influências, sinto-me bem agora, tenho de trabalhar em estúdio e depois disso sim, quero produzir-me no palco. Gosto disso, de sentir as pessoas”. Esta experiência em Limeil Brévannes correu muito bem e o dinamismo foi contagiante. “Eu canto por amor da música, a música berça-me, cura-me, é tudo para mim” confessa.

Rui Manuel Nunes estava visivelmente contente com o decorrer da festa.

 

LusoJornal Artigos

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 2 Votos
6.8
X