Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

David Carreira convidado da Vilamoura Club, discoteca portuguesa na Região Parisiense

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

O Vilamoura Club, antiga Costa do Sol, abriu as suas portas há mais de três anos. A discoteca tem acolhido vários artistas em palco, como David Carreira no passado sábado 16 de fevereiro. O LusoJornal foi à descoberta deste lugar lusófono em Villeneuve Saint Georges e também conversar com os protagonistas dessa noite.

Começámos por falar com Christophe Gonçalves, gerente da discoteca, que nos explicou como foi escolhido o nome Vilamoura para a discoteca: “Queríamos continuar com a identidade da discoteca que antigamente era a Costa do Sol. Queríamos continuar com uma discoteca portuguesa/lusófona e por isso decidimos pôr o nome Vilamoura, visto que esta cidade é tipo Saint-Tropez português, é a cidade da festa, é a cidade onde há mais movimento, onde estão as pessoas ‘bling-bling’”, afirmou Christophe Gonçalves, acrescentando que “Vilamoura é o lugar onde se tem que estar no verão, e foi por isso que decidi pôr o nome de Vilamoura na discoteca. Assim, durante o ano os jovens podem recordar-se de Vilamoura através da discoteca”, assegurou o gerente.

Quanto ao público que se desloca ao Vilamoura Club, Christophe Gonçalves admitiu que há pessoas de todas as idades para uma discoteca que é lusófona, mas não apenas portuguesa: “Temos todo o tipo de pessoas. Temos duas salas, o que faz com que os clientes que vêm, vêm de vários horizontes e de várias idades, dos 18 anos aos 40-45 anos. Na sala em baixo, temos as músicas que estão a rodar um pouco por todo o lado, e na sala em cima, é muito mais português, latino, lusófono” realçou.

O sucesso do Vilamoura Club também vem de uma especificidade: a segurança. “As pessoas querem vir à discoteca para se divertirem e não para assistir a lutas entre pessoas ou ter problemas. A segurança é um ponto essencial e temos muitas pessoas a gerir a segurança. E na entrada, as pessoas são revistadas. Já fazemos isso há dois anos e meio, é para a segurança das pessoas, simplesmente. Isso faz com que as pessoas voltem mais vezes, e sobretudo para as mulheres, esta segurança também é primordial quando escolhem onde vão divertir-se”, assegurou Christophe Gonçalves.

No que diz respeito aos espetáculos, a discoteca tem acolhido muitos artistas portugueses. “Já tivemos o Emanuel, o José Malhoa, ou ainda o Mickael Carreira. Temos artistas em palco que vêm de Portugal, é uma aposta nossa. Queremos ter sempre esta ligação com Portugal” afirmou o gerente da Vilamoura, acrescentando que concerto como aquele de David Carreira podem ser ainda mais específicos. “De vez em quando a sala em cima pode estar fechada quando os artistas estão a fazer os testes para o som. Foi o que aconteceu com o concerto do David Carreira. Ele tinha de fazer testes e por isso a sala estava fechada, nada mais. Foi particular porque havia fãs do David e quando a sala abriu, claro que as pessoas foram quase a correr para estar na linha da frente para o concerto. É o fenómeno David Carreira», frisou.

Christophe Gonçalves também nos falou de um outro fenómeno que tem observado: “É interessante ver que os jovens, dos 18 aos 21 anos, por exemplo, são ainda mais portugueses do que nós. Isto é fantástico. Os jovens querem representar o país, vêm com a camisola da Seleção, alguns com a bandeira de Portugal. Eles sentem-se portugueses. Podíamos pensar que o fenómeno ia desaparecer, mas acho que não, acho que se sentem ainda mais Portugueses. Eles querem estar como em Portugal, e gostam de falar português”, concluiu o gerente do Vilamoura Club.

 

Em palco com David Carreira

No sábado 16 de fevereiro, David Carreira esteve no palco do Villamoura Club e abordou com o LusoJornal o espetáculo, bem como a evolução da sua carreira.

Aliás foi por esse ponto que começamos a falar com David Carreira, uma jovem carreira, mas sobretudo um imenso sucesso. “É óbvio que fico muito contente quando se tem um público excelente como tivemos no Vilamoura. Tu nunca esperas ter um público assim em cada espetáculo, por muito que trabalhes em estúdio, porque tu nunca sabes o que vai acontecer. Eu não me posso queixar porque ano após ano, álbum após álbum, as pessoas continuam presentes. É ótimo quando consegues fazer o que tu gostas, e consegues divertir-te com aquilo que fazes e que tu gostas de fazer”, admitiu o artista português, que partilhou o palco com Kumano.

Kumano estava feliz por ter estado com David Carreira em palco. “Estar num projeto como o do David tem crescido de ano para ano, e tem tido muito sucesso. O Vilamoura recebeu muito bem o David e é uma honra estar presente com ele no palco. Tem sido um prazer participar nos espetáculos dele. O David tem uma margem muito grande de evolução e é um prazer estar com ele, e sempre a subir”, assegurou Kumano.

No que diz respeito ao concerto, David Carreira continua próximo do seu público. “Eu tenho essa proximidade com as pessoas que me seguem, quer nos espetáculos, quer nas redes sociais. O facto de fazer sessões de autógrafos também é importante para te manteres sempre próximo do teu público”, frisou o cantor luso-francês.

David Carreira vai agora para outras paragens, mas França poderá rapidamente voltar à agenda do cantor luso. “Agora vou ter um concerto no Luxemburgo, dia 23 de fevereiro, depois duas vezes na Suíça, em março, mas quem sabe eu não volte a França rapidamente, ainda não tenho datas marcadas”, concluiu o artista português, filho de Tony Carreira.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 9 Votos
2.5
X