Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

Adriano Caetano, um conhecido empresário português, com 64 anos de idade, foi encontrado morto no escritório da empresa, em Montfermeil (93), nos arredores de Paris, degolado e com pelo menos 8 facadas no corpo.

Segundo a Agência France Press, o homem morava no Val-de-Marne (94), mas tinha o escritório da empresa de construção civil e trabalhos públicos numa rua considerada calma, com vivendas, em Montfermeil, na Seine-Saint-Denis.

Adriano Caetano era originário de Colmeias, perto de Leiria e morava em França há muitos anos. Primeiro morou em Montfermeil e continua, mesmo se já não mora na cidade, a ter a sede de várias das suas empresas na rue des Bégonias. Segundo pudemos apurar, era “conhecido e admirado” na cidade. Criou empresas no ramo da demolição, aterros, construção civil, “e não escondia o sucesso” dizem alguns dos seus vizinhos.

Quando os socorros chegaram à avenue des Bégonias – onde moram aliás muitos portugueses – na segunda-feira, por volta das 21h00, nem queriam acreditar no que estavam a ver, tal devia ter sido a violência com que o homem, considerado “tranquilo” pelos vizinhos, foi assassinado. Estava banhado em sangue.

O escritório da empresa estava instalado no subsolo de uma vivenda, mas nos andares de cima, os inquilinos não ouviram absolutamente nenhum barulho, nem os vizinhos notaram qualquer anomalia, nem gritos. Apenas ouviram o barulho dos primeiros socorros que tiveram de arrombar a porta porque estava fechada à chave.

 

Portugueses preocupados

Em Montfermeil há duas associações portuguesas, com dois grupos de folclore, o Alegria dos Emigrantes, que representa a Estremadura e o Estrelas de Portugal, que representa o folclore da região do Minho.

“Enquanto não soubermos o que se passou exatamente, estamos preocupados. Aqui todos estamos preocupados. Agora começam também a degolar os Portugueses…” diz um vizinho contactado pelo LusoJornal e que pediu para não ser identificado. “Pode ter sido por ser Português, pode ter sido por ser rico e ter dinheiro, pode ter sido por alguma razão pessoal, não sabemos de nada, mas por enquanto, confesso que estamos com medo. E se perguntar aqui a toda a gente, todos lhe vão dizer que estamos com medo”.

“Em Montfermeil há muitos empresários portugueses” confirmou ao LusoJornal Maria Pinto, 4ª Maire Adjointe com o pelouro das festas, associações e logística. A 8ª Maire Adjointe também é de origem portuguesa, Maria da Silva, e também foram eleitos, nas últimas eleições municipais, os Conselheiros municipais Maryline Marques, Christophe da Cruz e Ludovic Pedro.

A Chefe de Gabinete do Maire Xavier Lemoine, Jacqueline Ferreira, é também portuguesa. “Os Portugueses representam a segunda Comunidade em número aqui em Montfermeil, e as pessoas sentem-se bem aqui e são bem apreciadas pelo Maire” disse Jacqueline Ferreira ao LusoJornal. “E muitos Portugueses criaram as suas empresas. Temos muitas pequenas e médias empresas criadas por Portugueses”, no entanto não adiantou mais informações sobre este caso particular ao LusoJornal, alegando que está a ser seguido pela justiça.

A investigação está a cargo da Brigada Criminal da Direção Regional da Polícia Judiciária (DRPJ).

 

Comunidade
X