Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Média-metragem de Philippe Machado projetado em Melgaço dia 3 de agosto

“Até para o ano”, a primeira média-metragem do lusodescendente Philippe Machado, vai ser projetado no próximo dia 3 de agosto, às 22h00, no quadro do Festival do Filme Documentário de Melgaço.

Mesmo se o filme não é um documentário, baseia-se numa história real, a da própria família do realizador, e aborda de perto a questão da emigração, tema central do festival de Melgaço. “Fiquei muito contente que tenham escolhido o meu filme para uma primeira projeção em Portugal” disse ao LusoJornal o jovem realizador.

“Até para o ano” conta o último dia de férias de verão de uma família que mora entre a França e a Suíça. Uma família onde todos se despedem a pensar já no ano seguinte, mas também para os últimos momentos com um tio que está gravemente doente e em fase terminal. Neste caso, o habitual “Até para o ano” é mais difícil a dizer!

“Era importante para mim que o meu primeiro filme fosse sobre a minha própria família, sobre a emigração portuguesa. Eu queria fazer uma história mais pessoal, o mais íntima possível, falar de Portugal, filmar em Portugal, falar de uma história que todos nós conhecemos de perto ou de longe que é a história de muitos emigrantes portugueses. Foi uma evidência falar neste assunto” diz Philippe Machado numa entrevista “live” ao LusoJornal.

Um tio do realizador, que morou muitos anos em França, regressou a Portugal e logo depois adoeceu e faleceu. “É verdade que no princípio era complicado falar no projeto com a minha família porque estava muito próximo dos sentimentos e das emoções, mas quando comecei a desenvolver o filme houve uma resposta muito positiva da parte da minha família, que considerou o filme como uma homenagem. Eles sabiam que eu tinha um certo pudor e que não era um filme extravagante, que ia respeitar a minha família e que ia ser muito próximo daquilo que nós vivemos”.

O filme foi rodado em Monção, mais propriamente nas aldeias de Portela e Cambeses. “Os meus pais são de Cambeses e a minha família está quase toda nestas aldeias do Alto Minho” explica o realizador. Por isso, durante a rodagem do filme, alguns familiares foram assistir a algumas cenas.

Até porque praticamente toda a família de Philippe Machado já regressou a Portugal. “Agora quase só os meus pais ficaram em França. Uma grande parte da família já regressou definitivamente”.

Por isso, a projeção de Melgaço tem ainda mais significado. “Era para ser projetado também em Monção, mas por causa da pandemia de Covid-19 não foi possível”. Uma parte da família vai descobrir o filme neste dia 3 de agosto.

Aqueles que já viram, reagiram com muita emoção. “Houve muitas reações positivas, acho que ficaram muito emocionados pela maneira como a história foi contada, pela sinceridade do filme. As reações da minha família foram muito positivas”.

 

Atores lusodescendentes conheciam as emoções do filme

Philippe Machado queria filmar com atores lusodescendentes, que falassem as duas línguas e que “sentissem as emoções” do filme. Suzana Joaquim Maudslay, Rosa Cadima e Jorge Tomé residem em França e são mais conhecidos dos leitores do LusoJornal.

“Eu queria que os atores compreendessem essa emoções que estávamos a viver. Queria que compreendessem o significado da expressão ‘Até para o ano’. Queria ter atores que já tivessem vivido essa sensação e penso que foi um sucesso na rodagem porque os atores estavam completamente dentro da emoção do filme”.

Só o personagem principal, Yannick Morzelle, não é lusodescendente, é um amigo do realizador. “Achei que não era um problema porque todos nós, nas férias, falamos português e francês, nós misturamos as duas línguas. Os jovens do filme falam quase todos em francês no filme, o que é natural, quando os primos se juntam, a língua principal é o francês, só depois quando falamos com os avós, os tios e as tias, é que falamos em português”.

Os outros atores do filme são Louis Allasio, Magaly Teixeira, Sacha Awazu, Sabrina de Oliveira, Luis Costa, Alexandre Martins, Inês Martins e Thor Schencker.

A produção do filme foi um processo muito longo. “Eu queria encontrar financiamentos públicos, como por exemplo do CNC, mas não consegui ter a última ajuda afinal, então decidi fazer um crawfounding e consegui juntar quase 10.000 euros. Tive também algumas ajudas universitárias e alguns meios próprios que completaram o orçamento de quase 18.000 euros” explica o realizador. “O que é muito bom para uma primeira média-metragem. Foi uma campanha por sucesso”.

Este financiamento permitiu levar a equipa técnica de França e o filme foi rodado em 2018. “Depois tive uma pós-produção muito longa e o filme acabou por sair no fim de 2019 com uma primeira projeção no Luxemburgo e depois em Paris”. O filme já foi projetado também na região parisiense, em Drancy e no Blanc-Mesnil. Agora está disponível em linha para quem o quiser ver em casa. “Eu já tive alguma sorte de ter algumas projeções em cinema e o que era importante para mim era que o máximo de gente visse o filme”. Por isso decidiu partilhá-lo e pode ser visto pelos leitores do LusoJornal.

Philippe Machado tem dois mestrados em Cinema – teoria e realização – concluídos em 2019 na Universidade Paris 8 Saint Denis. “Até para o ano” é o primeiro filme profissional, mas já produziu duas outras curtas-metragens francesas em 2019 com a empresa de produção “Play it again” que criou com um amigo.

Agora está a escrever longas-metragens. “Ainda estou muito influenciado com as histórias da emigração portuguesa e continuo a escrever histórias que são próximas da minha história, mas também da dos meus pais” disse ao LusoJornal. “Estou a escrever atualmente longas-metragens com histórias muito próximas deste meu primeiro filme. Quero continuar, por enquanto, nestes temas, porque são temas importantes para mim”. Mas também está a trabalhar num projeto de uma série que se passa nos subúrbios de Paris.

A projeção do dia 3 de agosto, às 22h00, vai ter lugar na Praça do Mercado de Melgaço, e é uma projeção em “Drive-in” para respeitar as regras sanitárias.

 

Os leitores do LusoJornal podem ver o filme AQUI:

 

 

 

Cultura
X