Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Tenho de começar por dizer que sou um admirador do exemplo caboverdiano de democracia. O país tem, claro, muitos problemas para resolver. Para uns é culpa da Direita no poder, para outros, devem-se à Esquerda que governou o país durante muitos anos. Mas é isto mesmo que eu admiro: um país com uma democracia rodada, com alternância governativa, um exemplo que, convenhamos, não é muito frequente em África.

Quando há 44 anos o país ganhou a sua independência, estava claro que seria difícil ganhar a sua autonomia. Não se pode dizer que tem produção suficiente para manter a sua população com emprego – aliás o desemprego ainda é um problema dramático – mas tem tido políticos lúcidos, à Esquerda e à Direita, que encaram os problemas como se encaram num país democrático, cada um com as suas opções ideológicas, claro. E nestas coisas, o povo é quem mais ordena e vai escolhendo aqueles que devem conduzir os destinos do país.

Visto de fora, percebem-se melhor as opções estratégicas para o país, ora no turismo, ora na construção de barragens para irrigar as terras e aumentar a produção agrícola. Num conjunto de ilhas isoladas no meio do oceano, é difícil ir mais depressa. Mas o importante é mesmo ir caminhando no bom sentido.

Para quem é português, como eu, impressiona a forma como Cabo Verde olha para a sua Diáspora. Confesso que me emocionei quando há uns anos, o então Primeiro Ministro José Maria Neves nomeou Fernanda Fernandes para as funções de Ministra das Comunidades. Tínhamos feito tantas vezes essa proposta aos Governos portugueses e sempre tivemos como resposta, montanhas de barreiras. Naquela altura, Cabo Verde mostrou que era possível ter um Ministério dos Negócios Estrangeiros e um Ministério das Comunidades. Isto quer dizer que as Comunidades estavam sentadas – por intermédio da Ministra Fernanda Fernandes – na mesa do Conselho de Ministro. Se isto não é lucidez…

O LusoJornal sempre teve muitos leitores caboverdianos. Logo desde o início, há quase 15 anos. Como o LusoJornal é distribuído nas agências da Caixa Geral de Depósitos e que os Caboverdianos são, em grande parte, clientes deste banco, recuperam o jornal e levam para casa. Em 15 anos já entrevistamos dezenas de Deputados, Ministros, Secretários de Estado, Presidentes da República, Candidatos a Presidentes da República,…

Dar destaque, como damos esta semana, a uma entrevista ao Embaixador de Cabo Verde em França, por ocasião das Festas da Independência, é pois, natural.

LusoJornal Artigos

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
7.3
X