Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Therouanne: Descobertas placas com fotografias de soldados portugueses da I Guerra Mundial

LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG LusoJornal / LSG
Donativos LusoJornal

 

Na sequência da compra de uma casa, há cerca de 3 anos, na localidade de Thérouanne, o comprador encontrou cerca de 300 placas num cesto. O novo proprietário nem tentou vender o achado e depositou as placas na Mairie de Thérouanne, solicitando que o donativo ficasse registado como tendo sido feito por uma pessoa anónima.

O Maire Alain Chevalier sabe de que casa vem o espólio e descobriu através de algumas placas onde eram feitas a maior parte das fotos.

Três anos volvidos, as placas, em parte, foram limpas, digitalizar e algumas fotos foram editadas em papel. Fotos que servem para a realização da exposição atualmente patente na Mairie de Thérouanne e que integra numerosas fotos de soldados portugueses, aliás a exposição é consagrada aos soldados do CEP.

Para assinalar a descoberta, o tratamento das placas e mostrar a exposição, o LusoJornal fez uma reportagem a partir de Thérouanne e falou com o historiador Hugues Chevalier, filho do Maire Alain Chevalier, que também foi entrevistado e Alban Simon, o profissional que está a recuperar as placas fotográficas.

De realçar que Hugues Chevalier deslocou-se a Portugal para apresentar a descoberta. “Uma instituição portuguesa mostrou-se interessada em adquirir o espólio, contudo a transação acabou por não se realizar, o Maire e os seus Adjuntos considerando a descoberta demasiado importante para a história” da pequena aldeia de Thérouanne.

O trabalho continua. Limpar, preservar, digitalizar, são etapas minuciosas e cuidadosas, sobretudo se quisermos tirar proveito da magistral descoberta. Este trabalho foi confiado a Alban Simon e à sua empresa Pro$Cie situada a Blendecques. Segundo Alban Simon, dado na época poucas pessoas serem possuidoras de aparelhagem fotográfica , as fotos devem ter sido executadas, provavelmente, por um fotógrafo profissional.

O Cônsul honorário de Portugal em Lille, Bruno Cavaco, honrou pela sua presença a exposição na manhã de quarta-feira, 17 de fevereiro.

As fotografias já recuperadas e aquelas que poderão ainda sê-lo, “a curto prazo estarão acessíveis pela internet”, porque esta é a vontade do Maire de Thérouanne, Alain Chevalier, “para que familiares de soldados portugueses possam, através das fotos colocadas à disposição, encontrar familiares dos soldados do CEP e que estes possam manifestar-se junto da Mairie”.

Alain Chevalier mostrou-se contente com a descoberta das placas de fotografias e realçou a importância das trocas entre os diversos países, entre a França e Portugal, “países que contribuíram para a paz”. Mostrou-se igualmente interessado em manter e desenvolver intercâmbios com Portugal.

Therouanne estava situada nas traseiras das trincheiras. Ali se treinavam os soldados, ali vinham-se repousar, ali perto estava, em Blessy, no lugar chamado Les Tourbières, as oficinas mecânicas do CEP. Podemos ler em «Memórias dum expedicionário a França – com a 2da Brigada d’Infantaria 1917-1918» de Humberto d’Almeida, editado pela Tipografia Sequeira em 1919: «A malta das trincheiras, a grande sacrificada desta guerra única, tinha levado a efeito uma árdua e cruenta tarefa. Havia oito meses que sofria com valor a horrível vida das trincheiras!… Tinha sido muito pesada a tarefa, por isso já devia estar fatigada e necessitava de repouso. Assim, pelos meados do mês de novembro começou a rendição da minha Brigada. Íamos para Les Tourbières, na proximidade do Aire sur La Lys».

 

A 28 de outubro de 2020, LusoJornal publicou também um artigo com o título «L’extraordinaire histoire de Mina: photographe pendant la I Guerre Mondiale» sobre uma descoberta, por Thierry Dondaine, de cerca de 500 placas com fotos de soldados da I Guerra, nomeadamente soldados portugueses.

Um conselho: quando esvaziarem um sótão, não deitem fora o seu conteúdo sem examinarem o que vão enviar para o lixo, como se conclui destas duas descobertas em sótãos da região no Norte de França com fotos de soldados portugueses que participaram na I Guerra Mundial.

 

Alguns momentos antes de efetuarmos a reportagem em direto a partir da Mairie de Thérouanne, passámos em revista os nomes gravados nas pedras da Igreja da aldeia. Descobrimos o nome António e um outro cujo apelido era João A. Sousa. Nos arquivos do CEP, 10 soldados podem ser identificados com o nome de João A. Sousa.

Da participação dos portugueses em Flandres na primeira guerra mundial, muito resta a descobrir, a identificar, a partilhar.

 

A Mairie de Thérouanne decidiu prolongar a exposição até dia 4 de março.

A exposição está patente ao público na Mairie de Thérouanne

1 place de la Mairie

62129 Thérouanne

Infos: 03.21.95.51.87

therouanne.mairie@wanadoo.fr

www.communedetherouanne.fr

 

Veja a reportagem do LusoJornal em Thérouanne AQUI.

 

Leia o artigo sobre a história da fotógrafa Mina AQUI.

 

Comunidade
X