Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

O Ministro português da Defesa Nacional disse esta semana no Parlamento português que o Cemitério Militar Português de Richebourg “tem todas as condições de dignidade e é um cemitério digno”.

João Gomes Cravinho lembrou que esteve recentemente em Boulogne-sur-mer para a reinauguração do Memorial português no Cemitério Est, “mas como não podia deixar de ser, passei também por Richebourg”.

O Ministro respondia a uma pergunta do Deputado Carlos Gonçalves (PSD) eleito pelo círculo eleitoral da Europa sobre o Cemitério Militar Português de Richebourg, onde estão sepultados 1.831 soldados do Corpo Expedicionário Português (CEP) que combateram na I Guerra Mundial.

“Conforme fomos informados pelo Governo, a preservação dos lugares de memória militar é da responsabilidade da Liga dos Combatentes que para 2021 tem uma verba prevista no Orçamento de Estado de 810.000 euros. Ora, nos dois anos anteriores a verba foi idêntica” disse Carlos Gonçalves. “Assim é importante perceber como será possível compatibilizar as obras de intervenção no Cemitério Militar e o facto da verba disponível para a Liga dos Combatentes se manter inalterável para 2021”.

“Há sempre um trabalho em curso, há uma degradação constante, fruto da exposição aos fenómenos atmosféricos” respondeu o Ministro da Defesa. “Aqui e ali há reparação a fazer. Temos um contrato anual para fazer esse trabalho, temos aqui e ali alguma queixa em relação à realização do contrato, julgamos que há campas que deveriam estar em melhores condições e portanto a empresa que assume essa responsabilidade, ou saberá dar resposta ou nós próprios encontraremos outra resposta através da Liga dos Combatentes. Aliás o General Chito Rodrigues esteve comigo nessa visita e acho que a intervenção que falta é questão de intendência”.

Carlos Gonçalves afirmou que este cemitério é “um símbolo de Portugal e da nossa Comunidade residente em França” e lembrou que o Cemitério Militar de Richebourg é candidato a património mundial da Unesco.

“A candidatura a património da Unesco é uma candidatura muito importante. Ela engloba cerca de 200 km de frente, com um conjunto de cemitérios, entre os quais o nosso” confirmou João Gomes Cravinho. “Naturalmente que, por todo o respeito que nós devemos à nossa história, daremos todo o apoio que pudermos à consagração da candidatura no âmbito da Unesco. É muito importante para nós. A Liga dos Combatentes contará com o nosso apoio para isso e as Câmaras municipais envolvidas em França, contarão com todo o nosso apoio e a nossa ação diplomática”.

O Ministro concluiu que “talvez haja necessidade de reforço de verbas da Liga dos Combatentes” para a manutenção do Cemitério. “A Liga dos Combatentes não deixará de ter as verbas necessárias para este efeito”.

 

Comunidade
X