Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Uma passagem de ano em festa em Vélizy

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

A Associação cultural franco-portuguesa Joie de Vivre de Vélizy organizou um jantar para a passagem de ano que esteve repleto, com cerca de 160 pessoas.

Um sucesso para o Presidente da Associação, António Abreu: “É bom ouvir que as pessoas estão felizes com o evento. Este tipo de eventos leva muito tempo. Para a passagem de ano, éramos 16 voluntários”, lembrando que para todos os eventos da associação “todos são bem-vindos”.

A festa foi animada por Lionel Costa, que foi elogiado por António Abreu: “Ele é originário de Clermont-Ferrand. Foi o segundo ano que esteve aqui connosco e consegue fazer com que as pessoas passem um bom momento”.

A associação foi criada em 5 de abril de 1994, organiza jantares para a passagem de ano, mas também vai festejar o Carnaval a 22 de fevereiro, e além disso também tem a gestão de duas equipas de futebol.

António Abreu mostrou-se satisfeito com a equipa que joga no Stade Jean de Nève, em Vélizy: “Estamos na frente do Campeonato na R2 – Régional 2. Temos 35 jogadores. Obviamente cada jogador tem o seu trabalho, aqui são todos voluntários e os jogos são ao domingo de manhã”, indicou o Presidente, antes de nos falar das dificuldades que se pode ter neste Campeonato: “A Ligue de Paris é muito exigente. De vez em quando temos de nos levantar às 6h00-6h30, porque o jogo é a 50-60 quilómetros de Vélizy, por exemplo. Mas estou muito contente com a equipa de futebol”, realçou.

No que diz respeito ao rancho folclórico, o Presidente da Associação não fecha a porta a uma reativação. “O rancho folclórico está um pouco parado. Tenho de ver e falar com as pessoas. Estou a tentar relançar o rancho, mas é muito trabalho. Um projeto tem de ter pernas para andar”, afirmou António Abreu que vai festejar três anos na liderança da associação, a 7 de fevereiro.

 

Comunidade
X