6   +   1   =  

Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Associação Rosita organizou a 37° Gala Folclórica em Charvieux-Chavagneaux (38)

LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro LusoJornal / Patrícia Guerreiro

Foi no passado dia 12 de maio que a Associação Rosita festejou a sua 37° Gala Folclórica Internacional em Charvieu-Chavagneux, na região de Isère (38), uma cidade com cerca de 8.900 habitantes, localizada a 30 km de Lyon. O Gymnase David Douillet, transformado em sala para o efeito, estava composto, num total de 600 pessoas.

À semelhança de anos anteriores, foram vários os grupos convidados: as Tradições de Portugal de Ussel, Limousin, os Camponeses Minhotos de Clermont-Ferrand e vindo de Portugal, o Grupo Folclórico e Etnográfico da Almagreira, no concelho do Pombal.

O público viajou pelas várias regiões de Portugal, como por exemplo pelo Minho, através da atuação dos Camponeses Minhotos e pelo Grupo Tradições de Portugal. O Grupo Folclórico Rosita apresentou danças e cantares da Beira litoral, Estremadura, Beira baixa, Ribatejo da ilha da Madeira e sem esquecer o Algarve com os seus trajes dos fins do séc. XIX e início do séc. XX, em busca sempre autenticidade de outros tempos.

Com cerca de 40 elementos, o Grupo Folclórico Etnográfico da Almagreira presenteou o público com vários temas, mostrado a alegria das pessoas no século passado e como se divertiam, e por outro lado a força e a energia de quem estava habituado a trabalhar no campo. Apresentou danças de romaria e de final de trabalhos agrícolas. A sua vinda foi preparada minuciosamente em parceria com a Junta de freguesia de Almagreira, a Câmara municipal de Pombal e a Mairie de Charvieu-Chavagneux.

Contrariamente a outras festividades, os troféus e fitas foram entregues no início da cerimónia, após ouvir tocar os hinos de Portugal e da França, seguindo-se o discurso de abertura feito pelo Presidente da associação e pelo Maire de Charvieu-Chavagneux, Gérard Dezempte.

Foi em 1982 que António do Carmo Raposo, natural de Tortosendo, na Serra da Estrela, criou a Associação Cultural Rosita, em homenagem à sua esposa, que veio a falecer num trágico acidente. O logótipo da associação, um livro e uma pena, representa a paixão que António Raposo tem pela literatura, sendo também ele um apaixonado pelo folclore. António Raposo vive atualmente em Portugal, mas a cada aniversário da Associação Rosita está presente e é considerado membro honorário da coletividade.

A Associação Rosita tem como Presidente Sérgio Cordeiro, natural de Pombal, e como ensaiador do grupo folclórico Rosita, o seu filho Fabien Cordeiro.

Fabien Cordeiro confidenciou ao LusoJornal que a associação tenta transmitir aos seus membros a cultura, os valores e o rigor que o grupo deve possuir, sem nunca deixar a diversão de parte. O grupo possui uma média de idades que ronda os 30 anos, sendo que o membro mais jovem tem 2 anos e o mais velho conta com 83 anos.

O grupo é membro da Fédération Amicale Folklorique Nationale (FAFN), e foi o primeiro grupo português em França a ter o certificado “Charte de Qualité” emitida pelo Ministério francês da Juventude e Desportos.

A coletividade conta com cerca de 60 membros ativos que fazem parte do grupo folclórico e mais de 300 sócios. O que faz a diferença desta associação é a abertura aos Franceses e a outras nacionalidades. “Estas pessoas procuram uma certa diferenciação no folclore e o grupo oferece-lhes isso” diz Fabien Cordeiro.

A associação participa ativamente nas festas da cidade, como por exemplo na Festa da Música e na Festa de Saint Boyon, entre outras. Sérgio Cordeiro salienta “a ajuda preciosa do Maire Gérard Dezempte, assim como da Conselheira Municipal Kátia Serrano, sempre disponível para o que for preciso”.

Ainda segundo Sérgio Cordeiro, a associação não só organiza a Gala folclórica internacional, mas igualmente faz parte dos seus eventos, jantares dançantes por ocasião do S. Martinho, em novembro, e de S. Valentim, em fevereiro.

O Grupo Rosita continua a formar jovens e deseja representar ainda mais regiões de Portugal, sempre num ambiente divertido de amizade familiar, respeitando as tradições portuguesas.

 

LusoJornal Artigos

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 2 Votos
5.9
X