Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Festa Madeirense juntou milhares de pessoas em Ormesson este domingo

LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha
Associações

 

A Festa da Madeira teve lugar, mais uma vez, no Parc du Morbras, em Ormesson-sur-Marne (94) neste domingo, dia 12 de junho, numa organização da Associação Portuguesa Cultural e Social (APCS) Flores da Madeira.

A apresentação do espetáculo esteve a cargo de Magalie e Bruno Antunes e pelo palco passaram o grupo Toka & Dança, o cantor Roni de Melo e o baile foi animado pelo grupo musical “25 de Abril”. Também houve animações folclóricas e bombos, para além das especialidades portuguesas, especialmente com espetadas da Madeira. “Não queremos que morram à sede, nem à fome” disse de cima do palco o Presidente da associação Leonel Gouveia.

O parque da cidade – “onde os meus filhos e os filhos de muitos Portugueses aprenderam a jogar futebol” como disse o antigo Secretário de Estado das Comunidades, Carlos Gonçalves – estava repleto de gente. “Verifico que aquilo que me tinham dito sobre esta festa não era mentira, é uma grande verdade. Esta é efetivamente uma grande festa, com imensa gente e isso dá-me bastante satisfação” disse o Cônsul Geral de Portugal em Paris, Carlos Oliveira, que estava na festa na companhia do Adido Social Miguel Costa. “É como se estivessemos em Portugal” completou.

A Maire Marie-Christine Ségui ainda começou por dizer “Boa tarde” em português, mas confessou que não cumpriu a promessa de fazer um discurso em português. “Eu aprecio particularmente a Comunidade portuguesa e penso que nos apreciamos mutuamente. Durante dois anos tivemos este período terrível em que não nos foi possível encontrarmos e por isso hoje a festa é ainda mais importante”.

Carlos Oliveira transmitiu uma mensagem do Secretário de Estado das Comunidades, Paulo Cafôfo, também ele Madeirense, e outra do Embaixador de Portugal em Paris, Jorge Torres Pereira, que não puderam estar presentes.

“Este foi um fim de semana pleno de acontecimentos. Eu faltei a algumas festas para estar nesta. Foi um fim de semana com muita amizade e muito convívio, depois de dois anos fechados com o Covid” disse o Cônsul Geral no seu discurso. “Esta é a prova da amizade franco-portuguesa e eu acho que aqui em Ormesson, e mais do que noutros sítios, graças também à Maire e a todos os autarcas, aqui festeja-se Portugal, festeja-se a França e sobretudo a amizade entre os dois povos”.

Carlos Gonçalves também discursou. O antigo Deputado e antigo Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas mora em Ormesson e, por isso, reconheceu o dinamismo da Maire da cidade e disse que “a presença do Cônsul Geral também demonstra a forma como vocês são reconhecidos no nosso país”.

Quem confessou “não ser homem de discursos” foi o Presidente da associação madeirense de Ormesson. “O meu pai não me ensinou a fazer discursos. Quero apenas agradecer a todos e marcar encontro no próximo ano” disse Leonel Gouveia. A associação comemorou também os 28 anos de existência.

E enquanto Nicolas Gonçalves, da WorldShow, geria os artistas e as questões técnicas com o espetáculo, o público dançou, cantou e conviveu. A Maire Marie-Christine Ségui garantiu que “a autarquia de Ormesson estará aqui sempre convosco” e, quando se sentia elogiada, respondia que “Ormesson é uma cidade que vive, uma cidade dinâmica e isto encoraja-me para cumprir a minha missão.

A festa acabou já tarde, e o sol decidiu, desta vez, acompanhar a maior Festa madeirense de França. Para além de Ormesson, há concentrações de Madeirenses no Havre e em Cérizay.

 

Donativos LusoJornal

 

X