Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A Cooperativa de Murça anunciou este fim de semana o lançamento da nova edição do azeite Milhões, que homenageia o herói da Grande Guerra e foi distinguido num concurso no Japão, numa participação inserida na estratégia de internacionalização para a Ásia.

“Este prémio faz parte de uma estratégia de internacionalização no mercado Asiático, uma vez que o Japão é dos países não produtores de azeite com o maior aumento de consumo nas últimas décadas e coincide com o lançamento da nova edição do ‘Azeite com História Milhões’”, afirmou Francisco Vilela, Presidente da Cooperativa dos Olivicultores de Murça.

O azeite Milhões foi apresentado na terça-feira na semana passada, no Dia de Portugal, mas tinha lançamento inicialmente previsto para 09 de abril, dia em que se assinala o aniversário da Batalha de La Lys.

No entanto, segundo o responsável, as garrafas desta segunda edição “ficaram retidas” durante dois meses nas instalações da empresa de serigrafia devido ao ‘lay-off’, consequente da pandemia de Covid-19.

Trata-se de uma edição limitada de duas mil garrafas e um “azeite com história” produzido de oliveiras centenárias da terra do Soldado Milhões. A primeira edição foi lançada em 2018.

Aníbal Augusto Milhais foi um soldado raso que combateu na Primeira Guerra Mundial, em França, e ganhou fama quando se bateu sozinho contra os Alemães para ajudar à retirada das forças aliadas. Foi precisamente durante a Batalha de La Lys e os seus atos de bravura valeram-lhe a mais alta condecoração militar nacional, a Ordem de Torre e Espada.

Milhais acabou por ficar conhecido como o soldado Milhões, um epíteto que nasceu com o elogio do seu comandante, Ferreira do Amaral: “Tu és Milhais, mas vales milhões”.

Aníbal Augusto Milhais morreu aos 75 anos em Valongo, a aldeia do concelho de Murça, que adotou o nome de Valongo de Milhais em sua homenagem.

Francisco Vilela referiu que um lote de mil garrafas estava praticamente vendido em exclusivo para um operador francês, no entanto, por causa da Covid-19, o “negócio está em stand-by”.

De acordo com a Cooperativa de Murça, o Azeite Milhões conquistou na quinta-feira da semana passada a distinção “Best of Show”, sendo considerado o melhor azeite no concurso internacional “Olive Japan”, que decorreu em Tóquio, no Japão.

Neste que é considerado o “maior concurso internacional” de azeites na Ásia e Oceânia, estiveram a concurso 750 azeites oriundos de mais de 23 países.

“O facto de ser a única cooperativa com um azeite reconhecido quer no concurso do Japão quer no concurso de Nova Iorque e ainda o facto de ter submetido apenas um lote, ainda mais orgulhosos nos deixa”, salientou Francisco Vilela.

O responsável lembrou ainda que o azeite da cooperativa conquistou este ano medalhas de ouro e de bronze nos maiores concursos internacionais dos Estados Unidos da América, nomeadamente em Nova Iorque e em Los Angeles.

Portugal continua a ser o principal mercado para o azeite de Murça, representando 80% das vendas, mas a Cooperativa Agrícola procura abrir novas portas para os seus produtos.

A entrada no mercado asiático aconteceu em 2013, ano em que a cooperativa dos olivicultores começou a exportar para a China, país que representa 2% dos 20% de exportações.

Este ano, segundo Francisco Vilela, a aposta será feita também em Macau, para onde “já há pequenas encomendas”.

A crise pandémica também provocou alterações no mercado do azeite.

O responsável referiu que, nos primeiros cinco meses do ano, a cooperativa sentiu um “aumento de faturação em relação ao período homólogo do ano passado”, tendo-se verificado “uma mudança de comportamentos”, com a diminuição de vendas das garrafas unidose (miniaturas de 0,25 ml) destinadas à restauração e o aumento na “gama doméstica”.

No entanto, Francisco Vilela lembrou que a conjuntura a nível mundial já era má antes da Covid-19 e que as consequências se fazem sentir essencialmente no negócio grossista, que está praticamente parado.

 

Empresas
X